sábado, agosto 17, 2013


« O amor é uma espécie de preconceito. Amas o que precisas, amas o que te faz sentir bem, amas o que é conveniente. Como podes dizer que amas uma pessoa quando há dez mil outras no mundo que amarias mais se conhecesses? Mas nunca as conhecemos. Então fazemos o melhor que podemos. »
- Charles Bukowski


Li isto uma vez e achei que era a verdade mais nua e crua que alguma vez tenha visto. É fria, é egoísta, é severa. Mas é verdade. E se a dissecarmos um bocadinho, podemos até encontrar nela algum tipo de esperança.

5 comentários:

  1. mas não conheces mais ninguém que ames mais aquela que amas agora. Sim o amor é estranho de sentir e até de definir, mas é tão complicado que ás vezes parece simples. Amo porque amo e porque gosto e porque me faz bem :)

    ResponderEliminar
  2. é de uma forma aterrorizante.. ao ler isto e ao pensarmos bem não conseguimos sentir seguros dos nossos sentimentos nem do que sentem por nós

    ResponderEliminar
  3. Mas é bem verdade... Dá que pensar, gostei muito :)

    ResponderEliminar